Caracterização da Filosofia

A Filosofia – É a procura da verdade, a tentativa de, através de bons argumentos, encontrar respostas que nos digam como as coisas (o ser) verdadeiramente são.

  • Para os problemas filosóficos, os filósofos formulam respostas, a que se dá o nome de teorias ou doutrinas filosóficas, que tentam depois justificar por meio de argumentos.

Argumento sólido: Argumento dedutivamente válido constituído por premissas de facton verdadeiras e conclusão verdadeira.

A validade não é suficiente para que tenhamos bons argumentos

  • Basta que um argumentyo argumento seja inválido para que nãopossa ser sólido. Todos os argumentos sólidos são válidos, mas nem todos os argumentos válidos são sólidos.

Exemplos:

Os dois argumentos são válidos, mas o melhor argumento é o 1, porque não só é logicamente correcto como também é constituído por premissas e conclusão de facto verdadeiras.

  • Os argumentos não saõ verdadeiros nem falsos. As proposições que os constituem é que podem ser verdadeiras ou falsas.

Demonstração e «dedução dialéctica»

  • Nas suas obras sobre lógica, com o título de Oreganon, Aristóteles distingue dois tipos de raciocínios: os analíticos e os dialécticos.
  • Os raciocínios analíticos são os que constituem formas de inferência válida, isto é, que têm uma forma, sempre que as suas premissas são verdadeiras, a conclusão é também verdadeira.
  • Os raciocínios silogismos científicos são demonstrativos e impessoais, porque, devido à sua forma, sdendo as premissas verdadeiras, provam a conclusão, que é independente da opinião humana.

Silogismo demonstrativo:

As premissas deste argumento são verdades estabelecidas e indisputáveis, tornando logicamente impossível que a conclusão seja falsa. Ninguém questiona o que se diz nas premissas.

Silogismo dialéctico ou de «dedução dialéctica»:

A este argumento chamaria Aristóteles argumento dialéctico porque não parte de premissa indisputável (apesar de ser uma «opinião muito respeitável»). Alguém que esteja familiarizado com o debate ético sobre o aborto fará imediatamente notar, grande parte da discussão passa por saber se o feto é ou não um ser humano. Isto significa que não sabemos se essa afirmação é ou não verdadeira. Contudo, podemos discuti-la e determinar a maior ou menor probabilidade de ser verdadeira.

Retórica e Filosofia

Relativismo moral: Consiste na ideia de que não há normas morais absolutas e de que todas as regras morais são relativas a sociedades e a culturas.

Exemplo:

Na Nigéria, uma mulher considerada adúltera pode ser apedrejada até à morte, enquanto que em Portugal o adultério nem sequer é crime.

A Retórica – É apenas um método de persuasão e não de descoberta da verdade.

  • Se a retórica fosse o método da filosofia, qualquer teoria seria admissível, desde que o filósofo fosse capaz de a apoiar com argumentos, metáforas e analogias e , deste modo, conquistar a adesão do auditório. A filosofia seria assim um jogo de interpretações que seria ganho por aquela que fosse de melhor persuadir o público;
  • O progresso em filosofia não se faz pela mera persuasão de um auditório, mas pela descoberta da verdade. É um facto que a verdade, por vezes, é difícil de conhecer, mas não justifica que a troquemos por meros processos de persuasão;

A Lógica e a Filosofia

  • Os filósofos discutem problemas fundamentais e tentam encontrar respostas. As respostas têm o nome de teses ou teorias. As teses são afirmações acompanhadas de razões para as aceitarmos, essas razões damos o nome de argumentos;
  • Os problemas filosóficos são problemas conceptuais que não podem ser recorridos à experiência para testar as suas teorias. Assim, a única alternativa que têm é utilizar a argumentação.

A lógica é indispensável para o exercício da actividade filosófica pelas seguintes razões:

  • Permite-nos distinguir argumentos de não argumentos;
  • Permite-nos clarificar argumentos;
  • A lógica ensina-nos a pensar de forma consequente;
  • Ensina-nos a avaliar criticamente argumentos, isto é, a verificar se são bons;
  • Torna-nos mais capazes de apresentar argumentos a favor de uma ideia ou de contra-argumentar, isto é, de apresentar argumentos que a refutem.

~ por goncasrato em 01/26/2010.

Uma resposta to “Caracterização da Filosofia”

  1. eu achei bem interessante mas, a imagem do primeiro exemplo não abre… e isso não facilitou muito… mas, ajudou bastante, OBRIGADA.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: